Mercenários baseados em Lisboa infiltrados no MPLA, FRELIMO e movimentos de libertação

Mercenários baseados em Lisboa infiltrados no MPLA, FRELIMO e movimentos de libertação

 

 

MPLA - Victory is certain
MPLA – vitoria é certa

Lisboa – Mais revelações agora passadas a livro pela investigação de José Duarte Jesus, um diplomata português que escreveu sobre ‘A guerra secreta de Salazar em África’, incluindo Moçambique, confirmam que nos anos 1960 e 70, a agência noticiosa Aginter Press, sediada em Lisboa, era a fachada perfeita para uma organização de mercenários e espiões da Alemanha, França e Bélgica.

Português: Antonio de Oliveira Salazar
Antonio de Oliveira Salazar

O investigador diz que o fascista António de Oliveira Salazar sabia da existência da organização e até apoiava este grupo secreto. Eles envolveram-se na guerra colonial e até nos movimentos de Libertação Africanos, incluíndo a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), o MPLA, em Angola, entre outros.

Eduardo Mondlane foi morto, em Dar-es-Salaam, na Tanzania, em 1969 por uma carta-bomba enviada por agentes da PIDE.

Os grupos tinham por missão combater o comunismo em África, América Latina e na Europa. “Tentaram tomar parte no pós 25 de Abril, envolveram-se no 11 de Março e nos ataques bombistas em Portugal”.

À venda nas livrarias em Portugal, o livro conclui que os referidos mercenários e espiões se infiltraram na FRELIMO, no MPLA, entre outros movimentos.

Mondlane in 1953
Mondlane in 1953

José Duarte de Jesus, embaixador, demitido do M.N.E (Ministério Português dos Negócios Estrangeiros) em 1965, convidado pelo ministro Franco Nogueira a deixar Portugal em 24 horas quando se soube que andara em conversas com o fundador da FRELIMO e arquitecto da unidade moçambicana, Eduardo Chivambo Mondlane, foi reintegrado no corpo diplomático depois em 1974.

“A Guerra Secreta de Salazar em África” foi editado este ano (2012) pela Dom Quixote.

Longa introdução (metade do livro), denuncia o envolvimentos dos Estados Unidos da América (EUA) com a primazia («pecado original») no recrutamento de elementos do Eixo e de Vichy como agentes anti-subversivos para contenção do comunismo no Ocidente após a II Grande Guerra.

Dá conta da rede e organizações criadas por estes elementos com esse fim, nomeadamente duma Organisation Armée Secret, suas ramificações e excrescências; enforque na Aginter cuja actividade em Portugal e Ultramar visa ser o principal do livro.

O livro revela o trabalho dos agentes da Aginter fomentado por Portugal (por intermédio da Polícia Política Portuguesa (PIDE), ministérios da Defesa e dos Estrangeiros) e motivado pela estratégia da defesa do Ultramar, desde operações de apoio ao Congo Belga, fomento da contra-revolução no Congo-Brazzaville (apoio ao abade Youlu), operações de contra-subversão sobre os ‘terroristas de Angola, U.P.A./F.N.L.A (liderada por

) e M.P.L.A’

Aventa ainda a intervenção (incerta) da Aginter no Biafra.

(AIM)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: