Carlos Veiga: “Vitória do MpD é uma mensagem de insatisfação para com o PAICV”

Cabo Verde autárquicas 2012

Carlos Veiga: “Vitória do MpD é uma mensagem de insatisfação para com o PAICV

A vitória do MpD “é um recado claro do descontentamento da população em relação ao PAICV, seu governo e seu líder José Maria Neves”. É esta a análise que Carlos Veiga faz dos resultados destas eleições autárquicas, que dão ao seu partido a gestão de 12 municípios – Santa Catarina continua em stand by – e ainda o do Sal, onde apoia o GIMCS. Na sua primeira reaçcão aos resultados eleitorais, o presidente ventoinha considerou que o MpD saiu mais reforçado, não poupou elogios aos candidatos vencedores, lançou duras críticas ao governo e garantiu que tem feito tudo para combater a fraude eleitoral.

Carlos Veiga: “Vitória do MpD é uma mensagem de insatisfação para com o PAICV”

Carlos Veiga era um homem feliz quando falava para a imprensa. Enumerou um a um os municípios ganhos, as Câmaras “roubadas” ao PAICV, mas lamentou, e muito, a perda de uma das maiores praças políticas do país, o Porto Novo.

O presidente ventoinha começou por elogiar o desempenho de cada candidatura, a organização da campanha a nível nacional, e dirigiu um especial parabéns a Ulisses Correia e Silva pela sua maioria absoluta na Praia. “O MpD reforçou a sua posição de maior partido autárquico do país”, afirmou com orgulho, acreditando que o seu candidato ganhou em Santa Catarina. “Aumentamos de 11 para 13 o número de municípios geridos por equipas do MpD e, com o nosso apoio, mantivemos o município do Sal nas mãos dos nossos amigos do GIMCS”, sublinhou.

Carlos Veiga explicou que esta conquista autárquica “não é uma vitória pessoal do presidente do partido”, mas de todos aqueles que estiveram engajados na campanha. “Quero dizer para todos, incluindo aqueles que não venceram, que tiro-lhes o chapéu pelo desempenho que tiveram, pela disponibilidade, pela capacidade política demonstrada e que esta é uma vitória dos candidatos e do MpD”, afirmou.

Razão para dizer que o “MpD está ainda mais forte, unido e preparado para quaisquer embates e que a sua organização vai se adaptando e melhorando com o tempo”. Resta agora, realçou Veiga, trabalhar mais nos próximos três anos, afinar o partido, comunicar mais com a sociedade e reforçar o sentimento de pertença å organização. “Os resultados obtidos nestas autárquicas e nas presidenciais, e também os indícios que tivemos nas legislativas, são sinais que aprendemos com os nossos erros, reforçamos os nossos pontos fortes”, avaliou.

Derrota do PAICV

Esta vitória é ainda para o presidente do MpD “uma mensagem clara de descontentamento do povo cabo-verdiano ao governo e ao seu líder José Maria Neves”. Para Carlos Veiga, a derrota do partido Estrela Negra é consequência “das promessas não cumpridas, da política de ilusão que é vendida e que não se traduz na realidade e satisfação das necessidades das pessoas”.

O líder ventoinha falou ainda em demagogia, irresponsabilidade, nepotismo, conflitos de interesse, partidarização da Administração Pública, das empresas participadas do Estado e das associações. Enumerou como principais falhas do governo o desemprego, a falta de rendimentos, habitações degradadas, exclusão escolar e acesso à saúde, política energética e de abastecimento de água.

E recomendou: “esta mensagem das autárquicas, junta às manifestações de1 de Junho e aos sinais de descontentamento, deveria levar o governo a rever a sua política. Se a política estiver errada, vai conduzir-nos ao abismo e vai conduzir a um descontentamento cada vez maior. Não faz crescer a economia, não faz aumentar o emprego e não resolve a generalidade dos problemas fundamentais que nós temos”.

Santa Catarina e fraude eleitoral

Abordado sobre a situação de Santa Catarina, Veiga não tem duvida: “As informações que fomos recolhendo nunca deram a derrota do MpD. Estranhamos os resultados que apareciam no site da DGAPE. Davam a nós uma vitória tangencial, é verdade, relativamente ao nosso adversário”.

O presidente do partido ventoínha pegou nesta deixa para abordar o assunto fraude eleitoral e compra de votos. “Nós estamos preparados. Sabemos que agora no novo apuramento vai haver todo o tipo de manobras, mas vamos estar lá bem representados para vermos a realidade. Porque o que importa é a realidade, os votos estão aí, se foram protestados ou não, se foram declarados nulos ou não é nessa base que se vai encontrar o resultado final”.

Fazendo uma espécie de retrospectiva, Carlos Veiga voltou a falar da velha história da fraude eleitoral de 2001. “Nesta altura havia fraude evidente. Simplesmente não se quis tomar isso em consideração. Mesmo o Tribunal, que seis meses depois condenou à prisão efectiva os autores da fraude, não quis tomar isso em consideração para determinados resultados. Parecia-me incoerente, depois a realidade confirmou que era assim”, declarou

Para acrescentar que tem estado “a lutar desde essa altura contra tal prática, essa cultura que se instalou em Cabo Verde de compra de votos. Pactuamos com esta situação, fomos cúmplices com esta prática. Estou å vontade para falar disso, porque tenho combatido. Sou contra”, assegurou, para criticar aquilo que chamou de governamentalização” das listas eleitorais, tomando como exemplo representantes do governo que se candidataram, sem se desvincular dos cargos.

A Semana

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: