Islão já tem 60 mesquitas encerradas a religião proibida em Angola

‘Os nossos irmãos acabam de informar-me que o seu local de oração no Huambo foi também encerrado, esta manhã, à semelhança do que ocorreu noutras províncias nos meses anteriores”, disse inicialmente David Alberto Já, referindo adiante que a mesma foi fechada sob ordens expressas das autoridades policiais da província do Huambo, que alegam terem recebido orientações de Luanda.

Com o encerramento desta mesquita, o número de templos eleva-se já para 60, segundo a fonte, sendo que as únicas que ainda mantém as portas abertas são as de Benguela e Luanda, que, segundo o responsável da comunidade muçulmana em Angola, correm também o mesmo risco, já que a maior parte delas foram fechadas sem o conhecimento prévio dos seus responsáveis. “A qualquer altura elas podem ser também fechadas”, afirmou.

Deplorou que “infelizmente tem sido esta a prática recorrente das autoridades competentes, elas não notificam os responsáveis das mesquitas, enviam a Polícia, esta chega ao local e ordena o encerramento, e não diz mais nada”, queixou-se David Alberto Já, o rosto visível da Comunidade Islâmica de Angola (COIA), para quem a situação tem estado a criar desconfortos no seio dos fiéis.

Segundo o líder espiritual islâmico, as autoridades angolanas já mandaram fechar mesquitas nas Lundas Norte e Sul, Moxico, Bié, Cuando Cubango, Huíla, Cunene, Namibe, e Zaire, reiterando que tais encerramentos, que considerou de compulsivos, apanharam de surpresa os imã (pastores) destas comunidades. “Nenhum deles foi notificado nas suas respectivas áreas de jurisdição”, disse.

Em conversa com O PAÍS, o responsável descreveu o encerramento das mesquitas como sendo ilegal, na medida em que são fechadas sem qualquer explicação plausível aos seus possessores, inviabilizando a adoração dos seus fiéis em várias regiões do país, como determina o Alcorão, o livro sagrado do Islão, que é composto por cinco pilares (mandamentos) mais importantes.

“Nunca fomos notificados”

Mostrando-se agastado durante as declarações feitas na viatura de reportagem de OPAÍS, já que foi encontrado fora do seu gabinete de trabalho, David Já disse não compreender as razões que estão na origem da proibição do culto aos seguidores do profeta Maomé. “Eu sou o responsável da comunidade, tenho um vice-presidente que é Oeste-africano, nunca fomos notificados, tanto pelo Ministério da Cultura, assim como o da Justiça, que julgo serem os órgãos competentes”, desabafou. Considerou o encerramento das mesquitas como sendo uma violação à Constituição da República de Angola (CRA), que consagra num dos seus artigos que o culto é facultativo e deve ser feito num local apropriado e fechado, sem perturbar a ordem. “É o que temos feito. Nós não entoamos hinos que perturbem a vizinhança, não fazemos barulho, não tocamos instrumentos, ou coisa parecida, onde está afinal o nosso mal?”, questionou David Já.

Disse que a instituição que dirige tem uma cooperação saudável com as autoridades angolanas, e tem dado o seu contributo em várias vertentes para o engrandecimento deste imenso país, tanto muçulmanos angolanos, como estrangeiros, estes últimos que aportaram em Angola em busca de melhores oportunidades de vida.

“Temos muçulmanos nacionais e estrangeiros, estes últimos maioritariamente de países africanos, outros asiáticos, exercendo várias actividades legais, sobretudo na área de comércio e hotelaria, construção civil e outros, cuja acção tem contribuído para o engrandecimento da economia”, disse, afirmando desconhecer se no seio da comunidade existam “ personas non gratas”.

“Se no meio destes fiéis, há pessoas que vivem ilegais, atropelando a lei dos Serviço de Migração e Estrangeiro (SME), violam a Constituição da República de Angola, praticando actos indecorosos ou outros que coloquem em risco a segurança e estabilidade do país, o Estado está aí para autuar, e pode contar com a nossa colaboração, como sempre estivemos de mãos abertas”, disse David Já.

O Islão não é seita

Disse ainda que a instituição que dirige em Angola, cujas estatísticas recentes apontam para um universo de mais de 800 mil fiéis, sendo 23% angolanos que aderiram ao Islão por convicção e outros ainda por laços matrimoniais, não faz parte das seitas que foram proibidas de exercer actividade religiosa no país pelo Ministério da Justiça, conforme lista publicada recentemente no Jornal de Angola.

“Não somos uma seita como aquelas que foram ilegalizadas, sem qualquer desprimor por elas. Nós somos uma religião monoteísta como a cristã e a judaica que acreditam na unicidade de um só Deus e, repito, não somos uma seita à procura de uma afirmação, mas uma religião que existe desde a humanidade”, declarou, reforçando que a “Comunidade Islâmica está indignada com o encerramento dos seus locais de culto”.

Explicou que as principais religiões tradicionais (cristã, judaica e islâmica) estão “condenadas” a coabitarem juntas, cada uma respeitando a outra, sem, entretanto, intrometer-se, mas convivendo numa sã harmonia. “Isto foi sempre assim, desde os tempos mais antigos e não vejo a razão de encerrar as mesquitas que coabitam pacificamente com outras religiões, como é a cristã em Angola”, frisou.

E ainda, “a religião que dirijo, não tendo sido notificada por quem de direito para encerrar as suas portas e com justificações plausíveis, julgo que está no direito de exercer as suas actividades ”.

Decisão Política

David Já enquadrou o encerramento de mesquitas como sendo uma decisão política oculta e não jurídica, acrescentando que a tendência de quem está a mandar encerrar as mesquitas é a de silenciar o Islão no país e proibir os seus fiéis de fazerem as adorações como sempre o fizeram em qualquer parte do Mundo, inclusive em países maioritariamente cristãos.

“O nosso país tem uma Constituição que garante a liberdade de culto e de religião, havendo isto no nosso ordenamento jurídico, não vejo motivos pelos quais está-se a encerrar ilegalmente as mesquitas”. Apelou, de seguida, a quem de direito para dar uma explicação sobre a tendência de se encerrar esta religião secular que, segundo afirma, tem mais de dois bilhões de fiéis no Mundo.

Suporte do Islão

O Islão como religião é constituído por cinco principais pilares: profissão da fé, cinco orações ao dia, (que devem ser feitas às cinco, treze, quinze e trinta, dezoito e dez e às dezanove horas de todos os dias ininterruptos. Em caso de falha de alguma, deve ser recuperada. Jejum, esmolas aos mais necessitados e a peregrinação, são outros pilares que enformam ainda a crença islâmica.

O imamu referiu que a peregrinação à Meca, em obediência ao quinto e último pilar consagrado no Alcorão, em consonância com o calendário islâmico, é um dos momentos mais altos da exaltação da fé de um crente muçulmano.

“É um dia muito importante para os muçulmanos que se deslocam a este lugar santo”, destacou.

A romaria à Meca, onde os fiéis vestidos geralmente de túnicas brancas consideram que terá sido lá onde o profeta Maomé fez o seu último discurso há mais de catorze séculos, deve ser feita pelo menos uma vez na vida de um muçulmano, desde que haja possibilidades para se deslocar ao também conhecido Monte Piedade. Os que não têm este privilégio, segundo David Já devem contentar-se com a feitura de orações e a imolação de um animal, cabrito, preferencialmente.

Imolação de um animal

É uma tradição secular, lembrando o momento em que Abraão esteve disposto a sacrificar o seu próprio filho Isaac, em cumprimento de uma ordem divina. Depois de imolado o animal, a carne é distribuída aos vizinhos, amigos e também aos demais necessitados para todos festejarem este dia que tem um significado ímpar para os muçulmanos, que no cristianismo tem a dimensão de Natal, festa do nascimento de Jesus Cristo.

Ireneu Mujoco

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s