L’ OR MBONGO

Anúncios

Irmã Heraldina estreia-se no mundo da música gospel com “Obediência”

Luanda- “Obediência” é o título do disco de estreia da angolana Irmã Heraldina no mercado da música gospel, anunciou hoje, cujo lançamento público acontece nos dias 29 e 30 deste mês em sessões a terem lugar na Tenda da Evangelização (Rádio Eclesia), em Luanda.

Segundo o produtor da artista, Nguito Panda, que anunciou o facto à Angop, a artista vai colocar no mercado um disco totalmente trabalho a base da música gospel, cujos temas trazem a público mensagens de amor ao próximo, ensinamentos de Cristo, entre outros aspectos sociais.

“É o disco de estreia da artista, mas com um conteúdo bastante rico em termos rítmicos e de mensagens. É uma voz que vale apenas ser ouvida e com muita atenção, porque os seus temas, à semelhança dos demais, reforçam a necessidade da preservação dos valores morais, cívicos e éticos”, disse.

Nguito Panda avançou que a cantora, nesta primeira aventura no mercado, apostou numa rítmica diversificada, e em cações cantada em kikongo e português.

Trabalhado em Angola, as músicas foram pré-masterizadas em Espanha.

“Obediência” congrega 8 músicas.

A artista começou a dar os primeiros passos no mundo da música há cerca de 10 anos como corista na Igreja Petencostal.

Fonte: Angop

Bambila grava nova discografia

 

O músico gospel Manuel Simão Bambila, conhecido no meio artístico como “Bambila”, anunciou Quarta-feira,12/09, em Luanda, o início do processo de gravação de um projecto intitulado “ Geração Gospel”, com vários músicos nacionais.

Em declaração à Rádio Luanda, o artista frisou que o projecto serve para unir mais os músicos defensores do estilo gospel, para que juntos possam expandir cada vez mais o nome de Deus em todo país e não só.

Segundo o músico, fazem parte deste projecto Eliot Kassoma, Miguel Buila, Irmã Sofia, entre outros. A obra “Geração Gospel-volume I comportara 15 músicas e cantadas em várias línguas nacionais.

“Com este projecto vamos levar a mensagem de Deus a nação angolana junto dos pés de Jesus Cristo”, sublinhou.

Bambila nasceu a 21 de Fevereiro na província do Uíge e aprendeu piano, guitarra e canto na academia da Igreja Rhema, em Luanda.

RL

Bonga no Top da World Music

Bonga no Top da World Music

A informação foi  avançada pelo cantor à reportagem de O PAÍS, em Luanda, momentos antes de ter participado do concerto de C4 Pedro.
O músico realçou que o referido álbum, foi inspirado nas vivências de bairro e já vendeu até ao momento  80 mil cópias, número que segundo  ele  poderá cresecer tendo em conta o nível de vendas em curso.
Considerou, que a sua presença no Top é um reconhecimento internacional. Pela primeira vez na história um músico angolano lidera o Top da  World Music. Humorado e num jeito que lhe é peculiar, clarificou que a sua carreira artística vai bem de saúde, sobretudo quando se tem uma casa de discos em França, Lusafrica, a mesma da Cesária Évora e um agente artístico francês, a Troi The Family.   Realçou que há muito que isso acontece, não propriamente com as mesmas casas de discos, o mesmo produtor e o mesmo agente artístico, mas com outras casas de renome internacional.
Sem  esconder a sua satisfação em relação ao Top , referiu que o disco continua a ter temas muito importantes para a sociedade angolana e chegou muitíssimo bem, e que, na sua óptica,  os programadores de rádios e televisão deveriam ter muito empenho programá-lo nos seus estúdios. Questionando sobre os motivos que o levaram a atribuir ao álbum o título “Hora kota”, Bonga  considerou ser um chamamento a ligação dos mais novos com os mais velhos, apelando aos mais velhos para imporem sem bater e sem prender ninguém. A título de exemplo, referiu-se à educação antiga que teve nos anos idos, ainda que no tempo da colonização. Foi a ela que resistiram e, caso não houvesse tal resistência, hoje não haveria semba.   Apelou à sociedade e aos governantes para se pautarem por tal reconhecimento, apoiando os demais kotas que ainda existem.

Dever-se-ia, de facto, apoiar a raiz, por ser esta responsável pelo caule, seguindo-se a própria árvore e, posteriormente, os frutos, que são a própria juventude que muitas vezes é criticada porque ninguém a educou e tão pouco lhe deu escolarização. Argumentou que o aclamado  “Hora kota” e outros temas estão muito bem encaminhados, mas infelizmente no  Top destacou-se  apenas o “Kambwa” devido às suas características normais e pertinentes, tendo  apelado à sociedade para que descobra o disco todo, ouvindo com muita calma e atenção o que estas letras querem dizer de facto.

Preservar para a posteridade

O músico adiantou igualmente que uma das estratégias usadas para manter presente as mensagens e harmonia nas músicas foi o facto de manter preservadas as  tradições culturais do país e não ter nenhum complexo com a coisa do branco, pois se tal assim acontecesse estaria a falar tal qual se fala na televisão apenas para impressionar o inglês e não o angolano.
Aos 40 anos de actividade artístico-profissional, Bonga tem no mercado igual número de discos gravados, alguns dos quais reeditados em várias capitais na Europa.
Percursor do semba, leva-o aos palcos internacionais, arrastando multidões, relevando as cores da nossa bandeira e orgulho da pátria.
Bonga completará, a 5 de Setembro próximo, 70 anos e almeja dar uma grande festa no país, caso os miúdos que cantaram Bonga e outros angolanos com quem fez parceria de grande nível tiverem a coragem de se juntar a ele no dia do seu aniversário para fazerem um banquete de kandandos. Se tal se concretizar, argumentou, será óptimo e assim finalmente dirá que o reconhecimento do valor está de facto ali, assim como alguns responsáveis ao nível do Governo, sobretudo do Ministério da Cultura, que lhe  atribuiram o Prémio Nacional de  Cultura e Artes ao nível da música.
“Poderei dizer, não há kijila, não há makas, estamos bem, sobretudo com esta referência tremenda e cada vez a considerar-me um referência de peso, quando sou solicitado a trabalhar com a juventude, principalmente nas músicas que eles compõem hoje”, disse.
A par disso considerou importante o, o facto ter vindo inúmeras vezes para o país, especialmente para ajudar os miúdos da terra nas suas composições e nouttras parcerias.
Sublinhou que a ausência de tal reconhecimento a este nível implicaria que algumas razões estariam a impedir que isso acontecesse, e assim questionaria: “porque é que andam a apregoar a paz, a concórdia, harmonia, a felicidade do povo angolano? Não podemos mais colocar reticências, senão começo a pensar que há aí coisas do antigamente que ainda não passaram”.
Estariam assim a contrariar certos dísticos que são programados ou falados por gente responsável.
“Temos a nossa maneira de falar, como aliás o brasileiro assim o fez com a língua portuguesa”.
Encorajou  igualmente a sociedade angolana a ter a coragem para melhor entender as coisas e a sí própria, incentivando-a a diálogar  em línguas nacionais, de modo a que se  reconheça a grande família angolana  como mais importante que os estrangeiros que  os nos vêm visitar.
Bonga realçou, que continua a fazer a sua cultura no exterior e assim vai continuar.

opais

Realizado festival “Avalanche Rock Metal” no Lobito

Benguela

Realizado festival “Avalanche Rock Metal” no Lobito

Rock Metal esta na paradas

Benguela – A segunda edição do Festival Provincial de Música Rock em Benguela realizou-se sábado à noite no espaço Cuca, à praia da Restinga, na cidade do Lobito, visando a promoção desse estilo musical e o intercâmbio de experiência entre rocker, metaleiros e bandas angolanas.

Ao falar à Angop, o representante da Cube Records, organizadora do evento, o rocker Edilson Tchitumba “Pagia”, avançou que o festival contou com a participação de oito bandas, nomeadamente “Dor Fantasma”, “Before Crash”, “Black Soul”, “Instituto Primário”, “Nvula”, “Basicantes”, “Scout Sniper” e “Zé Biato”.
Ressaltou que o festival, denominado “Avalanche Rock Metal”, visou, por outro lado, uniformizar procedimentos importantes sobre a actuação dos artistas, divulgar e valorizar o trabalho que as bandas de rock têm vindo a fazer ultimamente.
De acordo com a fonte, o evento também inclui uma sessão de tatuagem com equipamentos modernos para os interessados, um workshop sobre a venda de roupas e demais acessórios usados pelos rocker, para além de exposição de pintura e artesanato.
O cantor Pagia explicou que as entradas do público no espaço Cuca, palco do evento, foram gratuitas, referindo que a actividade teve o apoio da cervejeira Cuca, da Coca-Cola e do Hotel Doce Hotel.
Ainda frisou que o movimento “Rock Angolano” é hoje um dos principais alvos da música nacional, visto que a imagem transmitida pelos actuais fazedores desse estilo desenvolveu-se de uma maneira substancial pelos quatro cantos do país.
Neste momento, notou a fonte, o rock em Angola tem sido divulgado pelas organizações “Rock Made in Angola” (Luanda), “Benguela Rocker Events” e “Huambo Rock Festival”.
Aproveitou ainda a oportunidade para sublinhar que aquelas três principais organizações vêm desde 2008 revolucionando a forma de difundir a música “rock”, no país passando do estilo leve ao mais “pesado”, este último o metal.

Afra Sound Stars hoje no Weza Paradise

Afra Sound Stars hoje Weza Paradise

Canções do grupo Afra Sound Stars, que fizeram sucesso nos anos 80, vão ser lembradas, hoje, Domingo, das 10horas às 18 horas, em mais uma edição do projecto “Palco das Recordações”, realizado no complexo turístico Weza Paradise, em Luanda.

Os músicos Eduardo Paím e Paulino Pinheiro são os convidados para acompanharem o agrupamento. Os músicos vão interpretar temas dos seus repertórios e o grupo tradicional Semba Muxima faz a abertura do espectáculo.

Manuel Miguel “Pop Show”, porta-voz e líder dos Afra Sound Stars, disse ao Jornal de Angola que o espectáculo é uma ocasião ímpar para reunir os seus integrantes, que, por motivos profissionais e pessoais, já não tocam juntos há muitos anos.

“Está a ser um momento agradável por estar novamente com os meus companheiros. Não foi fácil reunir os elementos do grupo porque muitos ainda estavam no estrangeiro e só agora chegaram ao país”.

Pop Show garantiu que, no espectáculo, o grupo vai tocar temas como “Kimbele”, “Mano António”, “OMA”, “Tempo do Kaprandanda”, “Menina chora” e “Mulata”.

Os Afra Sound Stars são um grupo formado em Luanda, em 1976, que começa a ganhar visibilidade em 1982, acompanhando artistas da velha guarda em festivais organizados pela então Direcção de Massificação Cultural.

 

FM STÉREO

Historiador afirma que dança e a música são indissociáveis

Huambo

Historiador afirma que dança e a música são indissociáveis

Sheet music of "They Didn't Believe Me&qu...

Huambo – O historiador cultural Pio Chiwale afirmou hoje, na província do Huambo, que a dança e a música são indissociáveis e uma complementa a outra, sendo ambas factor de identidade e preservação cultural.

Ao intervir numa palestra,  apelou os fazedores dessa arte a observarem princípios cívicos e morais para a realização de uma boa coreografia por parte dos artistas.
Segundo o historiador, é necessário que os bailarinos ao desenvolverem uma determinada coreografia tenham em conta que a dança também contribui para o resgate dos valores culturais de um povo.
Afirmou também ser importante que as indumentárias utilizadas pelos dançarinos sejam decentes, para não ferir a moral dos espectadores.
Instou ainda os novos criadores de música de dança contemporânea a criarem estilos que vão de encontro às raízes da cultura angolana, por forma a não se perderem os valores culturais na sociedade, principalmente a juventude.
A palestra realizou-se na escola de formação de professores do futuro, sita na localidade de Quissala, a oito quilómetros da cidade do Huambo, e serviu para marcar a jornada comemorativa do Dia Internacional da Dança, que se assinala no próximo dia 29.
angop

Força Jovem promove mega show gospel

Música

Força Jovem promove mega show gospel

Luanda – O gabinete da comunidade juvenil “Força jovem”, afecto a Igreja Universal do Reino de Deus em Angola, realiza este sábado, dia 28, um mega show gospel, no cine Atlântico, em Luanda.

Em declarações hoje, terça-feira, à Angop, o responsável do evento, pastor André Paim, frisou que o mega show será realizado ainda no âmbito do mês da juventude, comemorado dia 14 desde mês.

Segundo o religioso, esta actividade tem como objectivo expandir mais a palavra de Deus e mostrar aos jovens cristãos que além da passagem da palavra cristã também haverá momentos de recreação.

“O louvor é uma pregação, por isso quando estamos a louvar estamos a orar e a buscar Deus, então convido todos os jovens a participarem neste grande show de forma a estarem mais próximos de Seus”, acrescentou.

De acordo com o pastor, estarão presentes no evento vários músicos gospel como irmã Sofia, Guy Destino, Eliot Kassoma, Dodó Miranda, André Paim, Dulce Martins, Miguel Buila, entre outros.

O 14 de Abril, Dia da Juventude Angolana, em memória ao herói de guerra, José Mendes de Carvalho, mais conhecido por Hoji-ya-Henda, morto em combate a 14 de Abril de 1968, no Moxico, durante um assalto ao quartel de Karipande, do exército colonial português.   Dada a sua combatividade e integridade moral, ficou conhecido como o símbolo patriótico da juventude angolana e, em 2010, a Assembleia Nacional instituiu o dia da sua morte como Data de Celebração Nacional

angop

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑