Sobre

204764_194472520593820_3977690_oSou ainda um embrião, por isso tenho pouco para falar a meu respeito. Nasci na Banza Quitele, Província do Bengo, município do Icolo e Bengo, isso aos vinte e um dias do sexto mês no ano setenta e seis do século vinte, esposo de Patrícia e pai do Melquisedeque Otoniel e da Tirsa Luana. O quinto entre os filhos do meu pai e o quarto entre os da minha mãe no universo de vinte e seis irmãos, frutos dos quatro relacionamentos do meu pai e dos cinco da minha mãe.

Ainda não completei a academia, sendo esta uma luta incessante e de mesmo modo, não possuo profissão mas, vou é fazendo aperfeiçoamentos técnicos.

Professo a fé cristã na vertente Pentecostal, sempre cri na existência de um ser superior mas, foi somente em Dezembro de 1989, isso na Assembleia de Deus Pentecostal do Bairro Maculusso, em Luanda que aceitei a Jesus o Cristo no dia 24.

Meu percurso na viva cristã se iniciou ainda na adolescência na sede da igreja, participando do teatro e da evangelização juntamente com minha mãe (Lídia) e irmãos, ajudamos o trabalho na classe do irmão Adão no bairro do Rangel (atual Centro Mensageiros da Fé). Neste período, andei dividido entre a classe do irmão Adão e a sub – congregação da irmã Nanda (hoje Igreja Pentecostal Combatentes da Fé), acabando por ficar na sub – congregação onde cresci, amadureci, ganhando experiências e conhecimentos que me são por suporte ate hoje.

Do meu pai, herdei a paixão pela leitura, velho Filipe Campos criou uma biblioteca com mais de mil e quinhentos livros, dos quais li um sem numero deles com doçura qual abelha colhendo o pólen das flores, com realce para os livros da II grande guerra – não era para menos – estávamos no tempo do comunismo.

Da minha mãe (Cândida), herdei o amor, sim! Um amor sem mácula nem fingimento. Amor puro! Cândido tal como seu nome. Recebeu-me aos cinco anos de idade, vindo de Luanda para Ndalatando sem aviso prévio com um saco da antiga ELA (Empresa de Laticínios de Angola), feito sacola para as minhas roupas (calções rotos e camisas amarfanhada, rotas e sem botões). Isso deu makas lá no cubíco pois ela reclamou junto de meu pai que merecia ser informada sobre a minha transferência e foi justa a sua reclamação diga-se em abono da verdade. Mesmo depois da zanga, isso na manha seguinte quando ela se apercebeu que tudo que eu possuía era farrapos, tomou-me pelas mãos e levou-me ao senhor Moniz alfaiate. Fiquei novo! Não tenho motivos de queixas sempre fui amado na mesma proporção que os meus irmão.

Da minha mãe (Alia), estou ainda aprendendo apesar de já nos reencontramos a mais de vinte anos, nunca tivemos muito tempo juntos. Deu-me a luz e cuidou-me ate aos cinco anos, o nosso reencontro deu-se pouco tempo depois da minha conversão ao evangelho.

Se não fosse o meu pai hoje eu seria um ladrão! Ainda permanecem bem vivas na minha lembrança a primeira vez que roubei. Tinha eu cinco anitos e estava com fome. Andávamos no mercado do anangola no palanca, quando nos deparamos com uma multidão de pessoas comprando micates. Incentivado pelo meu irmão coloquei as mãos entre as pernas dos compradores e alcancei a bacia; saquei alguns e meti-me a andar ao encontro do Chiquito, de repente senti mãos adultas agarram-me por trás na manga da camisa. Levei umas bofetadas e os bolinhos foram para ao chão enchendo-se de terra. Assim foi, o meu primeiro roubo e a primeira surra!

Este ai sou eu…

9 pensamentos sobre “Sobre

  1. Oi meu irmão! Preciso da sua ajuda para a letra da música de Zé Manuel “Nha Utru”. Será possível você me passar a letra, é que ainda não aprendi crioulo🙂 Abraço!

    • Se você souber esse crioulo claro!
      O seu blogue é muito interessante, já recebeu o convite para participar no blogue? Se não, eu devo enviar para o seu correio eletrónico. Você me pode passar e aí pode participar escrevendo seus artigos. Obrigado. boa noite!

  2. Estas de parabens meu irmão, soubeste aqui espelhar momentos importante da sua vida, alguns dos quais fui testemunha e outros já não recordava como o da sacola aonde estavam as tuas roupas quando foste levado à Ndalatando, boa memoria.
    reitero aqui votos de parabens e continue assim, se forte.

    aquele abração(como dizem os brazuca)

    • Obrigado kota, vocês fizeram e fazem aquilo que hoje sou e vou sendo. nos proximos tempos isso na devida altura vou contar aqui ou em um outro local a historia do “sem nome assim já morri?” hahahahahaha.

      Aguarde

  3. Oi! Tem uma música de Waldemar Bastos, tentei colocar a letra toda, penso que parte dela está em Umbundu, não sei se o cd original terá toda a letra, terei de procurar, de qualquer forma seria possível, se souber completá-la? Obrigado! Boa noite!

  4. Olá irmão, sou do Brasil, me interesso muito em saber sobre a evangelização ai em angola e em toda a áfrica. Estou querendo começar um projeto de vídeos de conteúdo cristão no youtube, estou acabando o primeiro video e pretendo fazer 3 a 4 videos por ano. Gostaria de compartilhar o primeiro deles com vocês:

    Se você puder, gostaria que me indicasse outros sites ou blogs de conteúdo cristão ai de angola, para que eu possa compartilhar os videos com eles também.

    fique na paz de Cristo.

  5. Paz meu irmão, sou o Alberto, angolano e estudante de teologia no Brasil, gostaria de pedir sua ajuda, no sentido de disponibilizar-me caso possível, algum material sobre a história da teologia em Angola, principalmente no período guerra e pós-guerra.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s